Que Pudores Posso Ter

Que pudores posso ter
se o teu toque me desmonta.
Esse toque visceral, 
imoral, e imperfeito.
Mas que percorre o meu corpo suado
e te transforma nas sendas
do meu pecado
Que pudores posso ter
se a tua boca insana
me estremece nessa cama
fazendo o inimaginável no meu ser


Que pudores posso ter
se me engoles por inteiro
e me devoras de janeiro a janeiro
nos inarráveis momentos de amor
sem hora marcada para acontecer

Que pudores posso ter?

© Magno R Almeida
Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

Desejo Animal


Vem
Deixa-me tocar teu corpo
Acariciar teu ventre
Beijar teus seios
Saborear o mel da tua saliva
E me afogar nas ondas do teu desejo

Vem
Faz de mim a tua fonte de prazer
Desliza pelo meu corpo
E aquece o meu peito
Com o calor das tuas coxas
Acaricia o meu tórax
Com tuas nádegas macias
E ancora no cais da minha boca
Enquanto minha língua febril
Desafia teus pudores


Vem
Escorrega lentamente
E pincela o meu queixo
Com as lavas do teu vulcão
Sobe mais...
Deixa o aroma gostoso
Do teu liquido viscoso
Invadir minhas narinas
E alimentar meu desejo animal

Vem
Vira de ponta cabeça
E faz do meu sexo
O teu brinquedo ideal
Explora, consome e devora
Leva-me a loucura
Em profundos gemidos
Arrancando do meu ser
Devassos gozos de prazer
Que inundarão tuas entranhas
Com o néctar da vida.

© Magno R Almeida

Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

Noite de Amor

Liberte-se dos falsos pudores
e desfaleça em meus braços

Envolva-me em teus abraços
e eu serei teu fiel escravo

Saciarei tua sede de amar
e darei asas as tuas
alucinantes fantasias sexuais

Na penumbra deste palco sagrado,
aquecerei tua alma
com o calor dos meus beijos.
Banharei teu corpo
com a saliva da paixão
enquanto dedos indecentes,
guiados por mãos profanas,
encontrarão teu sexo
fazendo-te explodir de tesão


No ínterim desses delírios,
bocas famintas de prazeres carnais
navegarão nossos corpos
rumo ao cais primitivo
de nossos desejos

No ímpeto de nossas loucuras
trocaremos carícias, lambidas,
mordidas, abraços, beijos e afagos
até cairmos desfalecidos
em mais uma alucinante
noite de amor.

Fev/2008
© Magno R Almeida

Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

Insana Paixão


Paixão desenfreada...
Marcada pelos corpos suados
Mãos trêmulas e enlouquecidas
Deslizando em nossos corpos
Numa busca insana do prazer!


Bocas ofegantes balbuciando
Palavras desconexas e inaudíveis
Línguas úmidas e vorazes
Serpenteando nossos corpos
Numa busca insana do prazer!


Braços se entrelaçando
Em abraços delirantes
Que incendeiam nossas almas
Numa busca insana do prazer!


Corpos exaustos e desfalecidos
Recompondo-se com ternura
Dos momentos de loucura
Vividos ao sabor do néctar singular
Produzido pelo desejo de amar
Nesta insana busca do prazer!

Dez/2006

© Magno R Almeida
Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

A Luz de um Abajour


Sob a fraca luz de um abajur
percorro o teu corpo com o olhar
delirante de tesão e
enquanto o fogo da paixão
arde, desenhando em minha mente
as mais loucas fantasias sexuais,
teu corpo esguio e desnudo
repousa na maciez dos lençóis
que teimosamente tentam
esconder a fonte dos meus desejos



Deito-me ao teu lado
e dou inicio a uma alucinante
viagem pelas curvas do teu corpo
que estremece de prazer quando
minha língua quente acaricia
teus mamilos e parte em busca
da tua vulva molhada de tesão

Como dois loucos famintos
devoramos nossos sexos
enquanto nossos corpos perdidos entre
caricias, beijos, lambidas e mordidas
explodem em delirantes gozos de prazer

Tudo testemunhado apenas pela
fraca luz de um abajur

Ago/2007
© Magno R Almeida
Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

Duelo de Amor e Paixão

Entre amassos,
carícias e beijos delirantes
travamos na cama uma luta
de amor e paixão

Em busca de gozos alucinantes
desprezamos todas as regras do pudor
e nos entregamos a emoções primitivas
degustando nossos sexos e transformando-os
no verdadeiro alimento de nossos desejos

Enlouqueço com o calor
da tua vulva, úmida,
clamando pelo meu pênis pulsante
que “chora” e “ferve” de tesão


Num raro momento de lucidez
Contemplo o rubor de tua face
contrastando com o teu corpo
febril que prenuncia uma explosão de orgasmos

Navego entre tuas coxas e ancoro
no cais primitivo dos teus desejos
que, a cada carícia lingual, estremece
levando-te as raias da loucura e do prazer

Por fim, atendo aos teus apelos
penetrando-te com ternura e damos
inicio a suave dança do vai e vem
que nos leva ao espaço sideral
numa alucinante viagem as estrelas

Perco-me em tuas entranhas
e entrego-me ao ritmo frenético do teu quadril
que me faz explodir de prazer
e em perfeita sintonia com o teu orgasmo
ejaculo e deixo as gotas cristalinas do meu sêmen
invadir o teu ser com o néctar da vida

E mais uma vez, juntos, erguemos o troféu
de um duelo que não teve perdedores

Nossa luta terminou empatada.
Que maravilha!

Maio/2007
© Magno R Almeida
Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

Eterna Solidão

Madrugada quente...
Quarto, artificialmente, frio...
Insônia cruel dominando a minha mente.

Fecho os olhos e me perco numa estrada
onde tenho a doce visão do teu rosto

Imagino teus beijos
e um alento invade a minha alma

Sinto teus lábios úmidos unindo-se aos meus
Enlouqueço com o serpentear
da tua língua buscando a minha saliva
Aqueço-me no calor do teu corpo
e navego na maciez da tua pele
Ouço o pulsar do meu coração em batidas descompassadas

A paixão me invade
e o desejo de te amar me domina

Sussurro, em teu ouvido, delírios de amor e paixão
Teu hálito quente prenuncia um orgasmo
O rubor de tua face me enlouquece
O clímax do nosso amor acontece
Ejaculo delirando de prazer

O telefone toca...
Abro os olhos e não te vejo...
Atendo na esperança de ouvir tua voz...
É o serviço de despertador anunciando que o dia amanheceu

Volto a realidade...
Percebo, enfim,
Que passei mais uma noite
Amando-te na minha eterna solidão.

Fev/2007
© Magno R Almeida
Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

Loucura de Amor


Que loucura é essa?
Que só penso no teu sexo
Que só te imagino nua
Derretendo-se de prazer nos meus braços

Que loucura é essa?
Que só penso nos teus beijos
Que só imagino teus seios intumescidos
Sendo acariciados por minhas mãos trêmulas de prazer

Que loucura é essa?
Que só te imagino nos meus braços
Aquecida em meus abraços
Invadida de tesão
Louca pra ser amada
Num frenesi de amor e paixão.



Que loucura é essa?
Alguém pode me dizer?
Que loucura !
Que loucura de prazer !

Nov/2003
© Magno R Almeida
Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

Vem...


Vem...
Chega de mansinho e deita aqui ao meu lado.
Envolve o meu corpo num abraço apertado.
Deixe que eu sinta a maciez da tua pele
e o pulsar da tua respiração ofegante.

Vem...
Provoca em mim aquele tesão desenfreado
Usufrui e se apodera do meu sexo molhado
Pede para ser amada e me chama de amado.

Vem...
Desmonta a minha falsa timidez
e deixa eu te amar outra vez
Beija meu corpo por inteiro
No rosto, no pescoço, na boca e no peito.
Dilacera minha alma e
geme de amor no meu leito.


Vem...
Amanhã não meu amor, vem agora
Grita, xinga, delira e chora.
Diz que me ama, que me odeia e que me adora.
Morde o meu corpo, me lambe, me suga e me devora.

Vem minha linda
Satisfaz o meu ego
Transformando o meu amor em tua fonte de prazer
Viaja comigo pelas estrelas e
faz de mim o teu eterno querer

Vem minha amada...
Explode de paixão em delírios alucinantes
e vamos fundir nossos corpos num verdadeiro êxtase de amor
Transformando esta noite no paraíso dos amantes.

Vem...
Vem amor...
Vem paixão...
Vem gostosa...
Vem tesão...
Vem...

Ago/2003
© Magno R Almeida
Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

Louca Paixão

Hoje,
Eu quero te despir e te possuir
Como um louco apaixonado...
Quero minhas mãos passeando
Em toda a extensão do teu corpo
Quero te olhar, te beijar, te morder
Te amar e gozar da forma mais
intensa que o meu ser permitir.

Quero beijar e sugar os teus seios
Quero apalpar e apertar tuas nádegas
Quero lamber cada centímetro do teu corpo
Quero te enlouquecer
Sugando a tua vulva molhada
E ingerindo a essência dos teus desejos

Hoje eu quero
Te deixar enlouquecida de prazer
Com beijos e caricias alucinantes
Quero te levar as estrelas e
Te mostrar o infinito.
E ao final desta jornada,
Feliz por ter te amado
Quero te ver extasiada
Dizendo que eu sou
O teu único e verdadeiro amor
e que, em tua vida, jamais encontrarás
alguém que tenha a capacidade de
te amar mais do que eu.

Ago/2003
© Magno R Almeida
Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

Vou te dar um Porre


Hoje eu vou te dar um porre
de amor, ternura e paixão.

Quero te embriagar de carinhos.
Abraços, beijos e tesão.

Quero te ver completamente tonta
e balbuciando coisas sem nexo.

Quero te ver tropeçar
e cair nos meus braços cambaleando de amor

Quero te ver totalmente embriagada.
Louca para ser amada e
pedindo que eu realize todas as
suas fantasias sexuais.



E no auge deste momento
Quero levar-te ao firmamento.
Gozando de felicidade...
Gritando de prazer.

Hoje eu quero te ver
completamente embriagada
de amor, paixão e tesão...

Metendo os pés pelas mãos,
botando pra quebrar e
amando pra valer!

Ago/2003
© Magno R Almeida
Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

Suite de Motel

Suíte de motel...
Santuário onde damos vazão
As nossas mais alucinantes fantasias
Sexo oral, anal, vaginal
Delírios, gemidos, sussurros
Risos, mordidas, lambidas e
Gozos alucinantes.
Tudo testemunhado por luzes negras,
espelhos, músicas, sauna, canal erótico
e roupas espalhadas pelo chão

Suíte de motel..
Palco do espetáculo a dois
Altar de grandes promessas
e juras de amor

Suíte de motel...
Cúmplice das nossas loucuras
Testemunha muda dos nossos
delírios de prazer
Protagonista da nossa intimidade
Expectador que se encanta e
Aplaude em silêncio
Todos os nossos delírios de amor.

Suite de motel...
parceira discreta de tudo
o que é feito em nome do amor!

Mar/2007
© Magno R Almeida
Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

Delírios de Prazer

Deixe-me
Explorar teu corpo por inteiro
com as mãos, com os lábios,
com a língua, com os dentes...

Deixe-me
Encantar-te com palavras eróticas
sussurradas carinhosamente em
teus ouvidos...

Deixe-me
beijar teus seios docemente
causando-te todos os delírios
ardentes da paixão...

Deixe-me
Mergulhar no líquido viscoso
e saboroso que inunda o teu sexo quente
lubrificando tua alma de amor...

Deixe-me
repousar o meu sexo faminto
no aconchego de tuas coxas
para que, inconscientemente,
ele encontre o teu ventre molhado
e perca-se no princípio uterino da vida,
penetrando-te e nos levando
aos verdadeiros delírios do prazer.

Ago/2003
© Magno R Almeida
Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998

Mulher Biônica


Isso...assim...vem...
Me abraça...Me aperta
Me morde...Me arranha
Me deita de pernas abertas

Isso...não para...não para
Não para...faz mais
Me lambe...Me beija
Me suja...Me deseja
E volta a me lamber
Beija a minha boca
E me enche de prazer

Isso...assim...minha paixão
Vai...vai...me enlouquece!
Rasga a minha roupa
Arranca a minha calcinha
Morde a minha orelha
Me faz tua rainha
Beija os meus seios,
Meu sexo...minhas coxas
Se apodera do meu corpo
Faça tudo o que quiser
Me possua por inteira
Me enche de amor
Me faz tua mulher

Ahhhhh!....que bom!


Nov/1978
© Magroalmeida
Obra registrada na Biblioteca Nacional
e protegida pela Lei 9610 de 19/02/1998